segunda-feira, 7 de novembro de 2011



Marie Curie


Maria Strodowska passou a ser conhecida por Marie Curie, após o casamento. Que foi essa nobre mulher? Cientista polonesa que exerceu a sua atividade profissional na França. A primeira pessoas a ser laureada duas vezes com com o Prêmio Nobel, de Física, em 1903, o qual dividiu com seu marido, Pierre Curie, e Becquerel, pelas suas descobertas no campo da radioatividade (que naquela época ainda era um fenômeno pouco conhecido) e com o Nobel de Química de 1911 pela descoberta dos elementos químico rádio e polônio.

NA SUA JUVENTUDE

Maria Sklodowska nasceu na atual capital da Polônia, Varsóvia, em 7 de Novembro de 1867, quando essa ainda fazia parte do Império Russo. Seu pai era professor numa escola secundária. Marie educou-se em pequenas escolas da região de Varsóvia, obtendo um nível básico de formação científica com seu pai.

Envolveu-se com uma organização estudantil que almejava transformar a ciência e, por isso, foi levada a fugir de Varsóvia - que então era dominada pela Rússia - para a Cracóvia, na época parte do Império da Áustria. Em 1818, com a ajuda da irmã, mudou-se para Paris, onde concluiu os seus estudos. Estudando na Sorbonne, obteve licenciatura em Física e em Matemática. Em 1894 conheceu Pierre Curie, professor na Faculdade de Física, com quem no ano seguinte se casou. Ele ajudou em seus estudos para descobrir elementos químicos como o radio, o polônio, e a radioatividade.

SEUS ESTUDOS

Em 1896, Henri Becquerel incentivou-a a estudar as radiações emitidas pelos sais de urânio, que por ele tinham sido descobertas. Juntamente com o seu marido, Maria começou, então, a estudar os materiais que produziam tais radiação, procurando novos elementos que, segundo a hipótese que os dois defendiam, deveriam existir em determinados minérios como a pechblenda (que tinha a curiosa característica de emitir ainda mais radiação que o urânio dela extraído). Efetivamente, em 1898 deduziram que haveria, com certeza, na pechblenda, algum componente liberando mais energia que o urânio; em 26 de Dezembro do mesmo ano, Maria Skłodowska Curie anunciou a descoberta dessa nova substância à Academia de Ciências de Paris.

Após vários anos de trabalho constante, através da concentração de várias classes de pechblenda, isolaram dois novos elementos químicos. O primeiro foi nomeado polônio, em referência a seu pais nativo, e o outro rádio, devido à sua intensa radiação, do qual conseguiram obter em 1902 0,1 g. Posteriormente partindo de oito toneladas de pechblenda, obtiveram mais 1 g de sal de rádio. Propositalmente, nunca patentearam o processo que desenvolveram. Os termos radioativo e radioatividade foram inventados pelo casal para caracterizar a energia liberada espontaneamente por este novo elemento químico.

Com Pierre Curie e Antoine Henri Becquerel, Marie recebeu o Nobel de Física de 1903, "em reconhecimento aos extraordinários resultados obtidos por suas investigações conjuntas sobre os fenômenos da radiação, descoberta por Henri Becquerel". Foi a primeira mulher a receber tal prêmio.

SUA CARREIRA CIENTÍFICA

Marie Curie conseguiu que seu marido, Pierre Curie, se tornasse chefe do Laboratório de Física da Sorbonne. Doutorou-se em Ciências em 1903, e após a morte de Pierre Curie em 1906, em um acidente rodoviário, ela ocupou o seu lugar como professora de Física Geral na Faculdade de Ciências. Foi a primeira mulher a ocupar este cargo. Foi também nomeada Diretriz do Laboratório Curie do Instituto do Radium, da Universidade de Paris, fundado em 1914.

Participou da 1ª à 7ª Conferência de Solvay.

SEU RECONHECIMENTO

Reconhecimento

Oito anos depois, recebeu o Nobel de Química de 1911, «em reconhecimento pelos seus serviços para o avanço da química, com o descobrimento dos elementos rádio e polônio, o isolamento do rádio e o estudo da natureza dos compostos deste elemento». Com uma atitude generosa, não patenteou o processo de isolamento do rádio, permitindo a investigação das propriedades deste elemento por toda a comunidade científica.

O Nobel da Química foi-lhe atribuído no mesmo ano em que a Academia de Ciências de Paris a rejeitou como sócia, após uma votação ganha por Eduard Branly com diferença de apenas um voto.

Foi a primeira pessoa a receber duas vezes o Prêmios Nobel. Linus Pualing repetiu o feito, ganhando o Nobel de Química, em 1954 e o Nobel da Paz em 1962 e tornou-se a única personalidade a ter recebido dois Prémios Nobel não compartilhados. Por outro lado, Marie Curie foi a única pessoa a receber duas vezes o Prémio Nobel, em áreas científicas.

Em 1906, sucedeu ao seu marido na cadeira de Física Geral, na Sorbonne.

Depois da morte do seu marido, Marie teve um relacionamento amoroso com o físico Paul Langevin, que era casado, fato que resultando num escândalo jornalístico com referências xenófobas, devido à sua orígem polaca.

Conferência de solvay (1933)

Durante a Primeira Guerra Mundial, Curie propôs o uso da radiografia móvel para o tratamento de soldados feridos. Em 1921 visitou os Estados Unidos, onde foi recebida triunfalmente. O motivo da viagem era arrecadar fundos para a pesquisa. Nos seus últimos anos foi assediada por muitos físicos e produtores de cosméticos, que faziam uso de material radioativo sem precauções. Visitou também o Brasil, atraída pela fama das águas radioativas de Lindoia.

Fundou o Instituto do Rádio, em Paris. Em 1922 tornou-se membro associado livre da Academia de Medicina.

Marie Curie morreu perto de Salanches França, em 1934 de leucemia, devido, seguramente, à exposição maciça a radiações durante o seu trabalho. Sua filha mais velha, Irène Joliot-Curie, recebeu o Nobel de Química de 1935, ano seguinte à morte de Marie.

O seu livro "Radioactivité" (escrito ao longo de vários anos), publicado a título póstumo, é considerado um dos documentos fundadores dos estudos relacionados à Radioactividade clássica.

Em 1995 seus restos mortais foram transladados para o Panteão de París , tornando-se a primeira mulher a ser sepultada neste local.

Durante o período da hiperinflação nos noa 90, sua efígie foi impressa nas notas de banco de 20000 zloty da sua Polônia natal.

A sua filha, Éve Curie, escreveu a mais famosa das biografias da cientista, traduzida em vários idiomas. Em Portugal, é editada pela editora "Livros do Brasil". Esta obra deu origem em 1943 ao argumento do filme: "Madame Curie", realizado por Mervyn LeRoy e com Greer Garson no papel de Marie Curie.

Foram também feitos dois telefilmes sobre a sua vida: "Marie Curie: More Than Meets the Eye" (1997) e "Marie Curie - Une certaine jeune fille" (1965), além de uma minissérie francesa, "Marie Curie, une femme honorable" (1991).

O elemento 96 da tabela periódica, o Cúrio, símbolo Cm foi baptizado em honra do Casal Curie.


Fonte: Wikipédia

Para os que desejarem conhecer mais sobre essa nobre mulher, peçamos que visite a fonte do texto e o endereço do blog que se encontra abaixo.

www.egqsociesc.blogspot.com/2010/11/marie-curie.html

Deixamos nossos agradecimentos a todas as mulheres que contribuíram e estão contribuindo para a evolução da ciência, como também, em tantos outros campos do conhecimento.

sábado, 5 de novembro de 2011

VEJA O TRAILER: OS IMORTAIS

video

Kinect no gerenciamento de saldo bancário

video

Microsoft leva o Kinect além das plataformas de jogos.

Embora lançado como um dispositivo para melhor a experiência de uso dos vídeo games Xbox 360, ao permitir que pessoas possam jogar sem o uso do controle, era óbvio que o sistema Kinect estava fadado a um futuro muito mais brilhante.

Um ano após o lançamento oficial, o uso do equipamento em outras áreas além dos jogos já povoa a imaginação de muitas pessoas e, felizmente, de muitos engenheiros e desenvolvedores também.

Para exemplificar esse possível futuro da tecnologia Kinect, a Microsoft lançou um vídeo no qual demonstra como devem ser os próximos anos do reconhecimento de imagens e movimento do aparelho.

No vídeo (que está no início desta matéria), podemos ver o Kinect empregado em várias áreas, como quando o médico o usa para navegar pelo raio-x de um paciente, músicos tocam sem o instrumento físico, uma estudante em sala manipulando uma apresentação à distancia, um pai brincando com um filho usando um livro virtual e diversas outras imaginações.

Esse vídeo segue a outra imagem de futuro que foi lançada pela Microsoft na semana passada e pode ser visto neste endereço.

Para comemorar o aniversário de um ano e ainda incentivar empresas a desenvolverem produtos para a tecnologia Kenect, a Microsoft lançou um kit de desenvolvimento que ajuda pesquisadores a colocarem as funções do sistema em aplicações Windows.

A Microsoft espera que a interação se as mãos, juntamente com a ecolução da tecnologia gráfica 3D, irá iniciar uma revolução na maneira que lidamos com quaisquer produtos eletrônicos baseados no Windows. Quem sabe logo poderemos ter uma realidade parecida com a do filme Minority Report bateendo em nossas portas.

video

Fonte: TECMUNDO

quinta-feira, 3 de novembro de 2011